Os 10 anos da Lei Maria da Penha devem ser comemorados reforçando as ações em defesa da mulher e proteção contra a violência. Respeito e dignidade para todas.

Cumprimos a promessa e aprovamos o PLC 38 que iguala a remuneração de bombeiros e militares do ex-território de RR com o Governo do DF. Uma grande conquista

Tv Rádio Jornais
Pronunciamentos Matérias Relatadas Projetos Currículo
Notícia
Aumentar tamanho fonte Diminuir tamanho da fonte
06/10/2015

Leia - Entrevista de Romero Jucá - Páginas Amarelas Revista Veja

Foto: Divulgação
Leia - Entrevista de Romero Jucá - Páginas Amarelas Revista Veja

ROMERO JUCÁ -O PMDB TEM DE SER A SOLUÇÃO

O senador defende o rompimento da sigla com o governo, diz que ela é a única capaz de protagonizar a transição em caso de impeachment e traça cenários para um Brasil pós-Dilma

 

Se há uma coisa que o senador nomero Jucá entende como ninguém é a quase sempre sinuosa relação que governos estabelecem com o Congresso (na política há quase trinta anos, conseguiu o feito de ser líder do . governo Fernando Henrique, Ííder do governo Lula e, mais tarde, líder do gover- . no Dilma). Nesse quesito, avalia, o atual governo merece nota mínima. Hoje um dos políticos mais influentes do PMDB e mais próximos do více-presidente Michel Temer, ele acha que o papel da sigla não pode ser "segurar a votação de um impeachment em troca de cargos". . Na economia, diz que o governo errou por ser ideológico e intervencionista e que terá pela frente dias ainda mais amargos. Já os seus serão doces. Na semana que vem, Jucá embarca para o exterior em viagem de lua de mel para comemorar seu terceiro casamento. 

O PMDB vai anunciar o rompimento com o governo Dilma no congresso marcado para 15 de novembro? 
Estamos discutindo, avaliando a situação. E estamos procurando ajudar o governo, a Agenda Brasil é um exemplo disso. Mas não podemos deixar de ser críticos. Não podemos deixar de dizer que o PMDB tem uma história que vai além do governo do PT e da presidente Dilma. O partido tem uma vida que vai além dessa aliança com o PT - uma aliança que já se esgotou. O PMDB tem de se preparar para o futuro. Não pode ficar preso a esse passado nem a este presente. Não pode ser sócio dos erros do governo porque a concepção desses erros não foi nossa. O PMDB vai ter de ter coragem de decidir. 

Mas o partido parece que nunca esteve , tão dentro do governo, dado que será o principal beneficiário da reforma ministerial. 
O governo decidiu falar direto com as bancadas. O que 'ele fez foi negociar com elas e ampliar o número de suítes do Titanic. Mas, para nós, do comando do PMDB, a discussão não tinha de ser em tomo do número de suítes, tinha de ser para mudar a rota do navio. E o governo mais uma vez deixou de atuar nessa direção. Mostrou estar completamente fora de sintonia com a nova realidade política das ruas brasileiras. Tudo o que o povo não quer ouvir falar é em negociação de cargos, distribuição de emendas - tudo o que não resolve estruturalmente a relação política. 

Mas essas são práticas comumente associadas ao PMDB. 
Ocorre que nós estamos vivendo uma crise de representatividade política e de relação com a sociedade. Os partidos e os políticos que não entenderem isso estarão fora do jogo. Esse modelo do toma lá dá cá se esgotou. Opartido que não estiver sintonizado com o que a sociedade espera vai virar um dinossauro e perecer. Nós vamos ter em 2018 uma eleição completamente diferente. 

Por quê? 
Porque o eleitor amadureceu e não aceita mais essa política de ficar em cima do muro, a política da embromação, de fazer jogo pra lá e pra cá. Está muito mais seletivo. O cenário também vai mudar em relação ao número de candidatos a presidente. Se houver essa mudança de governo, teremos muitos partidos fazendo parte do que será uma ampla base para levar adiante esse período de transição. E dessa base poderão sair muitos nomes novos. Agora, se não houver essa mudança, e a presidente ficar sangrando até 2018, devemos ter um ou dois opositores. 

O que definirá qual dos dois cenários se tomará realidade? 
A forma como o governo se conduzir. O brasileiro já mostrou que aceita duas hipóteses: um governo novo - e isso significa que a presidente Dilma teria de realinhar o seu eixo político - ou um novo governo - nesse caso, sem a presidente Dilma. Uma dessas duas coisas tem de acontecer. 

Qual é a mais provável? 
A situação é gravíssima e vai piorar, mas não chegamos ainda ao fundo do poço. A cobrança política e social está apenas começando e vai ficar cada vez mais forte. Diante disso, o PMDB ou vira solução ou amarra seu destino ao PT. Qual é o papel do PMDB hoje no governo? Se nós não estamos fazendo a agenda do governo, não estamos partilhando decisões, qual é o nosso papel? É segurar a votação de um impeachment em troca de cargos? Essa é a concepção política que está na cabeça dos líderes do partido? Na minha, não. 

Em que medida a degradação da economia pode apressar um eventual pr0- cesso de impeachment? 
Veja: as classes C e D ainda não estão protestando contra o governo. Mas isso vai acontecer em breve: é o sujeito que está devolvendo o apartamento que comprou, que não vai mais poder pagar a prestação do carro ou da moto, que vai perder o emprego, que está tirando o filho da escola particular e perdendo o plano de saúde, obrigado a voltar para o SUS. Provar o gosto de ser classe média e depois deixar de sê-lo é pior do que ser pobre. Estados e municípios também estão em grande dificuldade, com a diferença de que não têm banco para fazer pedaladas, vão atrasar pagamento de salários, e, quando atrasarem, é porque não estão pagando os fornecedores há algum tempo. Esses fornecedores, por sua vez, também farão demissões, que vão recair sobretudo nas classes C e D. Os jovens também serão atingidos fortemente pelo desemprego, porque está demonstrado que, num período de recessão, a classe mais atingida pelo desemprego é a dos jovens, dispensados primeiro porque a indenização é mais barata do que aquela a ser paga aos que têm mais' tempo de casa. Então, vai acontecer o que aconteceu na Espanha e na Grécia.

A classe C será a próxima a tomar as ruas, na sua opinião? 
Vai protestar, vai para a rua e vai cobrar da classe política. O governo está dando camarote no Titanic em vez de mudar o rumo do navio. Só que, na hora em que o navio afundar, ninguém vai ficar na suíte, vai todo mundo pular do barco. Quando vier essa onda de cobrança da sociedade, essas pessoas que pegaram cargos não sustentarão a posição. A maioria não vai enfrentar a onda, como não enfrentou em outra situação, a da queda do Collor. O político vive de votos -e de sintonia com a opinião pública.

Quais foram os erros fundamentais do governo? 
Na economia, o governo da presidente Dilma errou porque foi ideológico e intervencionista. Na política, errou porque foi centralizador e centrado no PT. Fazer política é saber ouvir, partilhar decisões, fazer uma construção coletiva que dê sustentação às medidas que serão postas em prática. Não é manter o poder de decisão restrito a um círculo e partilhar cargos para tentar convencer os outros a seguir a sua posição. Mas havia um entendimento de que eles eram superiores à política e superiores aos outros partidos políticos. 

"Eles" são quem? 
Além da presidente -Dilma, os auxiliares diretos dela: Aloizio Mercadante, Ricardo Berzoini, Míguel Rossetto. E, olhe, colocar Jaques Wagner na Casa Civil não muda nada. Primeiro porque o Mercadante vai continuar dando palpite, depois porque o núcleo não muda e o eixo continua sendo unicamente o PT. 

Quais as chances de o Congresso aprovar a volta da CPMF? 
Nenhum imposto será aprovado neste governo. 

Mas, como economista, o senhor admite que um aumento de impôstos será inevitável em um possível novo governo? 
Qualquer país, se tiver a liderança correta e fizer a discussão correta, pode, por determinado tempo, negociar um sacrifício para chegar a um po,nto que todos entendam desejável. Agora, ninguém vai fazer um sacrifício se não perceber que ele tem um começo, um meio e um fim. Temos de unir o Brasil, dar a ele um novo eixo político, que agregue forças, inclusive hoje antagônicas, para fazer essa transição, essas mudanças estruturantes, graves, grandes. E negociar com a sociedade: "Bom, quais são os sacrifícios que os empresários vão fazer? Por quanto tempo? Qual seria o sacrifício mais palatável?". É crucial discutir seriamente a questão da previdência. "Que tipo de sociedade queremos? Uma sociedade que daqui a pouco vai estar pagando 20%, 30% do PIB em previdência? E a questão da taxa de juros? É a forma correta de tentar conter o avanço do dólar? Há outras formas de fazê-lo?" Essa discussão tem (deser feita. Mas o eixo político do governo não dá sustentação a nenhum tipo de medida que precisa ser tomada. O país necessita de um novo eixo. 

E qual o papel do PMDB nesse novo eixo? 
Nosso desafio é, até 2018, recuperar a credibilidade política, a segurança jurídica e a previsibilidade da economia para fazer essa transição. Temos de construir um modelo político que esteja em sintonia com a sociedade e sinalizar um pais que possa voltar a ser respeitado no mundo. Nós vamos ter de remar muito para voltar ao que éramos alguns anos atrás. O PMDB, o maior partido político do Brasil, é o único que tem todo o instrumental necessário para pretagonizar essa mudança. Mas teremos de contar com a ajuda de todos. Essa reconstrução das bases do Brasil é uma tarefa muito árdua e não pode haver disputa política de partido querendo colocar ria conta de outro partido qualquer medida mais amarga que seja necessária. Isso vai ter de ser algo partilhado. 

E o senhor vê essa disposição de outros partidos de partilhar com o PMDB inclusive o ônus de um governo de transição? 
Sim. Creio que todos estão convencidos de que, se não tomarmos certas medidas agora, daqui a três anos a situação estará pior. Ela não se resolverá por osmose. Pelo contrário: se nada for feito, o cenário será de anarquia econômica e balbúrdia social. Ou seja, sobrará para o vencedor das eleições para a Presidência em 2018. O ônus será maior quanto mais o tempo passar. E eu acho que o PSDB já entendeu isso também.

Há duas semanas, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha IPMDB-RJ), foi acusado por mais um delator da Lava·Jato de envolvimento no petrolão. O senhor acha que isso pode contaminar um eventual processo de impeachment, que caberia a ele conduzir? 
Temos de separar o papel institucional do PMDB de qualquer questão individual. Qualquer um pode ser investigado e deve ser, não há demérito em ser investigado. Já se houver uma condenação, esse alguém estará fora do processo. Ninguém é insubstituível. Se o PMDB tiver qualquer tipo de baixa, essa baixa não representará uma mudança nos rumos do partido. 

O senhor já foi acusado de desvio de verbas, compra de votos, uso de funcionários públicos em campanha eleitoral e abuso do poder econômico. Agora, está sendo acusado também na Lava-Jato ... 
Acusado, não, investigado. Eu tenho dito que apoio toda investigação. Não sou réu em nenhum processo nem nunca fui. Não sou réu, portanto, sou investigado. E uma parte dessas investigações é fruto da disputa política grave que há em Roraima e que envolve acusações e armações. Eu não me furto a dar nenhum tipo de esclarecimento. Tenho algum temor nessa questão da Lava-Jato? Nenhum temor. As questões que foram colocadas não mostram nenhum tipo de envolvimento da minha parte, mas eu gostaria que o Ministério Público concluísse essas investigações rapidamente, porque é importante que se diga logo quem é responsável por alguma coisa, para que quem não seja responsável possa ser ator nesse processo de transformação. Não é bom que pairem dúvidas sobre a classe política brasileira, porque a solução para essa crise é política. Mas eu considero legítimo tudo isso. Quem está na vida pública tem de estar sujeito a prestar contas de tudo, sempre. Tem de se acostumar a apanhar. Ou então muda de ramo, esquece a política e vai botar um food truck na rua.

 

Thaís Oyama - VEJA – PÁGINAS AMARELAS - 03.10.2015

Enviar comentário:



acompanhe o senador